Lisboa › SÁBADO 04 OUTUBRO › 19h00 CINEMA SÃO JORGE – Sala 1, em presença do realizador Jean-Pierre Sinapi
Lisboa › QUARTA 08 OUTUBRO › 10h30 CINEMA SÃO JORGE – Sala 3 (sessão escolar)
Lisboa › DOMINGO 12 OUTUBRO › 17h30 CINEMA SÃO JORGE – Sala 3
Lisboa › QUARTA 15 OUTUBRO › 17h30 INSTITUT FRANÇAIS DU PORTUGAL
Lisboa › SEXTA 17 OUTUBRO › 19h30 INSTITUT FRANÇAIS DU PORTUGAL
Faro › SÁBADO 25 OUTUBRO › 19h00 Teatro Municipal de Faro
Almada › SÁBADO 15 NOVEMBRO › 21h00 Auditório Fernando Lopes Graça

Realizador : Jean-Pierre Sinapi
Actores : Roschdy Zem, Rafik Ben Mebarek, Jean-Noël Cridlig-Veneziano, Hassan Ouled-Bouarif
Argumento : Azouz Begag / Jean-Pierre Sinapi / Daniel Tonachella
Produção : Pan-Européenne
Género : Ficção
Fotografia : Pierre Aïm
Som : Jean-Michel Chauvet
Montagem : Catherine Schwartz
Origem : França
Duração : 1h32 min
Estreia em França : 29/06/2005

Realizador
Jean-Pierre Sinapi trabalha como argumentista para a televisão e assina algumas sagas de grande sucesso como La Vallée des espoirs de Jean-Pierre Marchand (1984/1985) e La Rivière espérance de Josée Dayan (1994). Passa à realização em 1996 com o telefilme Un arbre dans la tête. Em 2003 surge a segunda longa-metragem: Vivre me tue adaptado do livro homónimo de Paul Smail sobre as dificuldades de um jovem diplomado de origem marroquina em encontrar trabalho. Reúne entretanto Roschdy Zem e Julie Gayet em Camping à la ferme.

Sinopse
Seis jovens problemáticos dos arredores de Paris chegam à província, acompanhados pelo educador. Devem mostrar a sua boa vontade e efectuar trabalhos de interesse público impostos pela juíza efervescente que ao atribuir as penas lhes dá uma última oportunidade. Entre o telemóvel colado à orelha de um, o pit-bull do outro ou ainda as orações muçulmanas do terceiro, estes adolescentes vão transformar a vida tranquila desta pequena localidade.

Crítica
“Jean-Pierre Sinapi assina uma simpática comédia social, bem calorosa. Roschdy Zem pedagogo charmoso, faz astuciosamente a ligação entre os ratos das cidades e os ratos do campo.” (Marie-Noëlle Tranchant / FIGAROSCOPE )

Festivais
Festival des films du monde de Montréal – 2005