Henri-Georges Clouzot (1907-77) é uma das figuras mais célebres do período clássico do cinema francês, realizador de obras clássicas, como Le Salaire de la Peur e Les Diaboliques. O seu nome esteve, mais de uma vez, envolvido em polémicas. A primeira surgiu ao fim da Segunda Guerra Mundial, quando Clouzot foi acusado de colaboração indirecta com as forças de ocupação alemãs, devido à autêntica obra-prima que é Le Corbeau, de 1943, um filme sobre denúncias anónimas, que é uma nítida condenação do trabalho dos “colaboracionistas”. Como outros, o filme foi produzido em França pela empresa alemã Continental, com a qual Clouzot aceitara trabalhar, o que lhe valeu, em 1945, uma interdição temporária de trabalhar. Clouzot também adquiriu a reputação de ser extremamente brutal durante as rodagens, fazendo “reinar o terror”, particularmente entre os actores. Por tudo isso, nos anos 50, ele viria a ser uma das vítimas de predilecção do grupo de jovens críticos dos Cahiers du Cinéma, que o atacariam de maneira sistemática, o que prejudicaria, sem dúvida, a sua carreira: dois dos seus projectos deste período, o documentário Le Cheval des Dieux e L’Enfer, foram abandonados e nos anos 60, depois de La Vérité, com Brigitte Bardot (o papel preferido da vedeta), Clouzot realizaria sobretudo documentários para a televisão sobre o trabalho de Herbert von Karajan, num total de cinco. Depois de uma última longa-metragem de ficção, La Prisionnière, em 1968, não mais voltaria a filmar.
Clouzot realizou, com mão de mestre, filmes criminais e thrillers, como L’Assassin Habite… au 21, Le Corbeau, Quai des Orfèvres e Les Diaboliques (todos programados neste ciclo), géneros em que a França tem uma rica filmografia e que lhe garantem um lugar de relevo no panorama do cinema clássico. Também se aventurou por formas mais ousadas e originais, como em Le Mystère Picasso, em que vemos o pintor a trabalhar “em directo”. Estes dois aspectos estão presentes nesta retrospectiva, em que poderemos ver e rever o essencial da sua obra, com o acréscimo da reconstituição do inacabado L’Enfer.

Longe de polémicas de um passado remoto, estes oito filmes permitirão aos espectadores reavaliarem a qualidade de uma obra que tem uma marca muito pessoal.

Filmes da Retrospectiva integral Henri-Georges Clouzot

L’ENFER D’HENRI-GEORGES CLOUZOT
com Romy Schneider, Bérénice Bejo, Serge Reggiani, Henri-Georges Clouzot

QUAI DES ORFÈVRES O CRIME DA AVENIDA FOCH
com Pierre Fresnay, Suzi Delair, Jean Tissier, Nöel Roquevert

L’ASSASSIN HABITE… AU 21
com Jean-Pierre Melville, Pierre Grasset, Ginger Hall

LE CORBEAU
com Pierre Fresnay, Ginette Larquey, Micheline Francey

LE SALAIRE DE LA PEUR O SALÁRIO DO MEDO
com Yves Montand, Charles Vanel, Folco Lulli, Peter Van Eyck, Vera Clouzot, Dario Morenot

MANON
com Serge Reggiani, Michel Auclair, Cécile Aubry, Andrex

LE MYSTÈRE PICASSO

LES DIABOLIQUES AS DIABÓLICAS
com Simone Signoret, Vera Clouzot, Paul Meurisse, Charles Vanel