Jean-François Richet

Jean-François Richet (1966) não tem o percurso tradicional do realizador de classe média. Cresceu num bairro social dos subúrbios de Paris, trabalhou vários anos como operário metalúrgico e cresceu a ver filmes soviéticos de Vertov a Eisenstein. État des lieux, de 1995, foi o seu primeiro filme, de baixo e orçamento e grande sucesso. Ma 6-T va crack-er (1997) foi o filme seguinte, ainda com actores não profissionais.

De l’amour (2001) e sobretudo Assaut sur le central 13 (2004), um remake de Carpenter, já são filmes de outro fôlego. É em 2008, com Mesrine: L’Instinct de mort e Mesrine: L’ennemi public n°1 que se começa a aproximar de criminosos lendários e ganha o César de Melhor Realizador. Em 2014 ressurge com dois filmes: a comédia Un moment d’égarement (apresentado na Festa do Cinema Francês de 2015) e Blood father.